Renato Barros fala da saúde

Qua, 01 de Outubro de 2014 18:51 1 COMMENTS
Imprimir

Diretor do Sind-Saúde dá entrevista e fala sobre problemas na saúde em Minas

renato

Na quarta entrevista da série do Brasil de Fato MG, Renato Barros, diretor do Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde de Minas Gerais e conselheiro estadual e nacional de saúde critica a falta de política dos governos do PSDB para os servidores e para a população, além da falta de investimento e do favorecimento ao setor privado.

Brasil de Fato - Qual balanço se faz no sindicato e no conselho desses últimos três governos na área da saúde?

Renato Barros - Desde que o PSDB assumiu, notamos uma ausência de política, tanto voltada para a população como para os servidores. A falta de política para os servidores compromete também o atendimento à população. Outro problema foi o entendimento do governo sobre a responsabilidade do Estado. O governo tinha o discurso de não investir na estrutura para investir no cidadão. E o que eles começaram a fazer? Esvaziar a estrutura pública, diminuindo a responsabilidade do Estado, que foi transferida para o setor privado. E sabemos que o setor privado, por sua própria natureza, privilegia o lucro. A saúde é dever do Estado e o setor privado deve agir de forma complementar. Mas eles começaram, aqui em Minas, a fazer a inversão do modelo, o Estado passou a entrar de forma complementar. Um exemplo disso são os hospitais regionais.

No ano passado, uma ação do Ministério Público questionou a falta de investimento dos 12% do orçamento em saúde, já que foram contabilizados outros recursos,  não comprovados. Em que pé está essa dívida hoje?

A Emenda 29, que foi sancionada pela presidenta em 2012, mas aprovada desde 2000, garante a responsabilização de todos os entes da federação no investimento em saúde. Os municípios devem investir 15% e os estados12% de sua receita. E nós denunciamos, em 2004, que o governo de Minas não fazia isso e a dívida foi cada vez mais crescente, chegando a R$ 4, 3 bilhões quando a promotoria de saúde acatou a denúncia e entrou com a ação. No decorrer desse processo, essa dívida ultrapassou R$ 8 bi. Mesmo assim, o procurador de Justiça, indicado pelo governador, arquivou a ação. E quem perdeu com isso? A sociedade, que é usuária do serviço e perdeu investimento, perdeu a estrutura  de atendimento de qualidade. É um golpe que o governo do PSDB deu dentro da estrutura da saúde. 

Neste ano, foi sancionada uma lei que garante o pagamento do piso de R$ 1.104 para Agentes de Combate a Endemias (ACE) e Agentes Comunitários de Saúde (ACS). As prefeituras mineiras têm cumprido essa determinação?

Estamos fazendo uma luta para cobrar dos governantes uma responsabilização pelo pagamento do piso dos agentes. A atenção básica e as ações preventivas perpassam pelo município e dependem desses profissionais. No mínimo, eles teriam que receber aquilo que está na Lei Federal. Os prefeitos precisam acabar com a rotatividade no trabalho, e uma das formas de garantir isso é garantindo o pagamento do piso, através de leis municipais. 

O sindicato declara que pode entrar em greve caso o governo não apresente propostas para os servidores da saúde, em assembleia na quinta-feira (25). Quais os motivos para essa paralisação?

Tivemos que fazer greve todos os anos no último período. Neste ano, abrimos até mão do reajuste salarial, mas pedimos que o governo nos desse estrutura e valorização profissional, com reestruturação do plano de carreira. Depois de 18 dias de greve, tivemos que retomar o trabalho porque o Estado transformou a luta em caso de tribunal. Buscamos então a negociação, mas o governo voltou atrás com tudo o que havia se comprometido. Ele só manteve o reajuste do vale-alimentação. Isso foi em julho, e até hoje nem isso foi executado. O governo jogou toda a discussão para a política remuneratória, que acontece agora em setembro. Eles foram ágeis em nos cobrar, em judicializar a greve, de cobrar a reposição, mas não foram ágeis em cumprir com aquilo que nos prometeram. Por isso vamos fazer uma assembleia no dia 25, na Praça Sete, e vamos colocar um telão, chamando a população para acompanhar essa negociação. Vamos denunciar algumas situações graves que estão acontecendo na saúde. Se houver uma decisão de paralisação, a responsabilidade não é dos trabalhadores e sim do governo estadual, que está empurrando os trabalhadores para a greve.

Todos os candidatos têm sempre muitas promessas para a saúde. Quais são as principais necessidades da saúde pública hoje?

Precisamos de melhores condições de trabalho, investimento maior na estrutura pública, garantindo equipamentos necessários, valorização profissional e estruturação de uma carreira atrativa para que as 14 profissões regulamentadas na saúde possam se enxergar e seguir no sistema público estadual. Assim poderemos atender melhor à população. É preciso também cumprir a Constituição, garantindo o mínimo necessário em saúde. 

Fonte: Brasil de Fato.

Foto: Rogério Sarmento / Ag. Eficaz