Quebradeira assusta trabalhadores no CMT

Seg, 01 de Julho de 2019 20:32 0 COMMENTS
Imprimir

Três consultórios foram danificados e trabalhadores foram agredidos; Sind-Saúde esteve no local

01 Confusão CMT 03

Trabalhadoras e trabalhadores surpreendidos pelos danos que um usuário causou ao Centro Mineiro de Toxicomania, unidade da rede FHEMIG, na manhã desta segunda-feira (01/07), em que foram danificados 03 consultórios utilizados para o atendimento ambulatorial dos pacientes, o sindicato foi acionado e compareceu à unidade. Imediatamente à ocorrência do episódio, a direção do Sind-Saúde/MG fez contato com representantes da gestão da FHEMIG para comparecer à unidade em reunião emergencial para ouvir os trabalhadores.


Ao chegar na unidade os diretores do Sindicato se depararam com um cenário de guerra. Os consultórios estavam revirados com mesas de pernas para o ar, monitores dos computadores estraçalhados pelo chão, ventiladores espatifados, quadros pintados pelos próprios usuários e que garantiu prêmios a esta unidade totalmente danificados. Além disso, dois trabalhadores sendo um psicólogo e um residente de medicina foram agredidos fisicamente. Um deles não participou da reunião porque foi encaminhado ao Hospital Semper para atendimento médico e preenchimento de CAT.

01 Confusão CMT 02


Houve dificuldade no recrutamento dos trabalhadores por interferência da gerência assistencial da unidade, o que foi rapidamente contornado. O auditório ficou lotado de servidores que denunciaram inúmeros problemas envolvendo a gestão da unidade. O principal foi a falta de segurança para o exercício da função pública que garantiria o atendimento de qualidade aos usuários do serviço. Além disso, os trabalhadores relataram que houve mudança no perfil assistencial da unidade sem que fossem ouvidos, todas as mudanças foram realizadas de maneira impositiva. Uma fala recorrente é de que a gestão da unidade expõe os trabalhadores ao dar “carta branca” para o usuário que transita pela unidade sem regra clara a ser seguida. Também relataram de atitudes persecutórias para com o trabalhador quando há alguma reclamação por parte dos pacientes. Existe a horizontalidade do cuidado, porém com a equipe multiprofissional exercendo atividades para as quais não foram habilitados. Isso tem trazido uma dificuldade para o exercício da função e muitos trabalhadores sequer têm coragem de denunciar por serem contrato administrativo e terem medo de perder o emprego, em uma época de crise econômico-financeira, além do receio de perseguição aos servidores efetivos.


Antes da reunião ser encerrada a gerência assistencial cargo exercido uma psicóloga, interviu solicitando que a equipe imediatamente assumisse seu posto de trabalho no horário da tarde, mesmo não estando diante de nenhuma urgência/emergência que justificasse a interrupção do encontro com os trabalhadores.


Participaram da reunião, além dos trabalhadores e representantes do sindicato, a direção de gestão de pessoas (Alice Guelber e Marcelo Alves). Os encaminhamentos apontados pela entidade representativa dos trabalhadores foi os documentos que possam comprovar as discussões para mudança no perfil assistencial da unidade, o encaminhamento dos trabalhadores direta ou indiretamente envolvidos no ocorrido para acompanhamento da Gerência de Saúde e Segurança do Trabalhador, cópia da perícia policial solicitada e reunião com a participação do sindicato, trabalhadores, a gestão do CMT, Administração Central da FHEMIG, juntamente com a presença da Superintendência de RH da SES. Por volta das 15h30 foi realizada a perícia pela polícia civil no dano patrimonial causado pelo usuário.


Veja o vídeo gravado após tumulto provocado pelo usuário do CMT: